Negócios

Os impactos da pandemia no e-commerce brasileiro

16 de dezembro, 2020

Entenda como foi a evolução digital do setor varejista em 2020

Às vezes, é preciso tempo e esforço para efetivar mudanças. Já em outros momentos, as circunstâncias externas chegam atropelando nossos planos, nos tirando da zona de conforto e quebrando antigos paradigmas.

A transformação digital, por exemplo, vinha como uma tendência crescente ano após ano nos mais diversos setores. Porém, como sabemos, o cenário mundial que presenciamos em 2020 forçou uma parcela massiva da população e dos negócios a aderir de vez a esse formato de operação.

Como vimos no artigo sobre transição digital – um dos mais acessados no nosso blog em 2020 – distintos setores da economia precisaram de muita criatividade para se renovar nesse contexto de evolução.

Para o setor de varejo não foi diferente. Inclusive, este foi um dos mercados mais impactados pelo cenário de pandemia, devido à necessidade de isolamento social e às restrições impostas para a operacionalização das lojas físicas em um longo período.

Tirando um lado positivo dessa situação, isso resultou no empurrão que faltava para o e-commerce – comércio eletrônico – decolar de vez.

Tanto em âmbito nacional quanto global, os números mostram que um importante passo foi dado na migração para o varejo digital – falando da aderência das empresas e aceitação pelos consumidores. Segue acompanhando para saber mais sobre as tendências desse mercado!


Os números do e-commerce brasileiro em 2020

De acordo com a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), mais de 135 mil lojas brasileiras aderiram às vendas por e-commerce já nos primeiros três meses de pandemia, com o objetivo de se manterem ativas mesmo com suas portas físicas fechadas.

Relacionado a isso, o primeiro semestre deste ano registrou um recorde histórico de faturamento e volume de vendas no e-commerce. Como mostra a 42ª edição do Webshoppers, relatório realizado pela a Ebit | Nielsen, a alta nesse período foi de 47% comparado com o semestre anterior, a maior nas últimas duas décadas.

Crescimento das vendas do e-commerce brasileiro

Fonte: Ebit | Nielsen via Meio & Mensagem

Já o relatório Setores do E-commerce no Brasil, divulgado pela agência Conversion no mês de novembro, segue comprovando o crescimento significativo que esse período gerou. Em comparação com o mesmo período no ano de 2019, 12 dos 15 setores analisados na pesquisa apresentaram um crescimento nas vendas online.

Em relação aos mercados que apresentaram um maior crescimento, o de produtos Pet se destaca com o surpreendente salto de 60% de crescimento em relação ao ano passado. Na sequência, aparecem as áreas de “comidas e bebidas” e “casa e móveis”.

Ainda que as lojas físicas tenham reaberto, os últimos meses seguiram apresentando um crescimento extremamente significativo no e-commerce. Como exemplo, o mês de outubro registrou um crescimento de 9,7% em relação a setembro, contando com quase 1,3 Bilhões de acessos mensais em âmbito nacional.

Como outros exemplos interessantes, podemos destacar as compras no e-commerce da Amazon Brasil (amazon.com.br), que cresceram 83% em relação ao ano anterior, assim como as das Casas Bahia, com crescimento de mais de 60%.

Natal é sinônimo de shopping lotado. Não mais…

Paralelamente ao estudo da Conversion previamente citado, também foi realizado pela empresa um levantamento sobre as intenções de consumo agora no período de natal, o qual consuma ser uma das épocas mais movimentadas no varejo nacional.

Os resultados mostram um cenário inédito: Pela primeira vez na história, as vendas online para o natal devem superar as das lojas físicas. Isso se mostra no fato de que, somando as intenções de compra nos diferentes canais digitais (e-commerce, aplicativos e WhatsApp), vemos que em torno de 60% dos consumidores optaram por essa forma.

Por quais canais os consumidores pretendem fazer suas compras de natal

Fonte: Conversion (2020)

É claro que o receio pelo contato presencial ainda é um fator de impacto, mas isso não descarta a representatividade dessa transição.


Os próximos passos

Ainda que a migração e aceitação massiva do e-commerce como formato de varejo seja um pontapé importantíssimo, podemos considerar que esse é apenas o primeiro passo quando falamos de transformação digital dos negócios.

Como falamos em outros artigos por aqui, a maturidade digital é um patamar de digitalização que engloba as ações e processos empresariais como um todo, trazendo diversos ganhos para as organizações em termos de inovação e desenvolvimento.

Confira aqui os diversos benefícios de preparar sua organização para um nível superior de digitalização!


Podemos concluir que certamente esse ano foi extremamente representativo para o avanço do e-commerce em cenário global, e em especial no nosso mercado brasileiro.

Como visto, uma validação de que a mudança veio para ficar é que mesmo com a reabertura das lojas físicas, a maior parte dos consumidores ainda opta pelos canais digitais. É possível dizer, assim, que essa transição de hábitos está de fato se consolidando. Agora o caminho para as empresas é seguir evoluindo nesse processo de transformação digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *