Trends

NRF 2019: terceiro dia — o sentido do varejo

17 de janeiro, 2019

O último dia da NRF 2019 trouxe algumas reflexões sobre o uso da tecnologia, avaliou a China como modelo de varejo e ter propósito para continuar relevante.

Seguindo nosso exercício com a nuvem de palavras com os conteúdos do dia, verificamos que muitas palestras e painéis começavam com “how” (como). Portanto, foram muitos questionamentos e discussões sobre como fazer um varejo com sentido (sentido, aqui, significando propósito e também rumo).

A cloud word do terceiro dia da NRF 2019 traz retail (varejo), brand (marca), future (futuro), AI (inteligência artificial), consumer (consumidor) e employee (colaborador) como os termos mais utilizados e debatidos. Mas também é possível observar novas palavras com força como RFID ( identificação por radiofrequência oudo inglês “Radio-Frequency IDentification”), generation (geração), omnichannel e success (sucesso), fresh (novo) orbitando e complementando os temas principais.

NRF 2019: cloud word day three

O consumidor chinês está guiando o caminho

Os compradores chineses adotaram muito mais as compras digitais e móveis do que nós, ocidentais. Eles passaram do dinheiro direto para a era digital, em grande parte porque não há décadas de uso de caixas eletrônicos e cartões de crédito. Lá o uso de pagamentos digitais móveis é muito comum porque não houve a necessidade quebrar os hábitos estabelecidos. Ao contrário de nós, os brasileiros.

As marcas precisam ter propósito para continuarem relevantes

Ninguém consegue acompanhar a quantidade de marcas sobre o mesmo produto ou serviço que existem. E as inúmeras novas, que surgem a cada dia. Vários palestrantes enfatizaram que os consumidores querem saber o que empresas e marcas representam, e não apenas o que estão vendendo. As empresas estão cada vez mais se posicionando sobre questões sociais e políticas e esperamos que essa tendência continue. Em 2018, a Patagonia, companhia que trabalha com roupas e acessórios para atividades ao ar livre, doou mais de U$ 100 milhões em apoio às questões ambientais. A empresa também anunciou que doaria todas as receitas do recente corte de impostos corporativos para entidades que combatem a mudança climática, dizendo que o meio ambiente precisava mais do dinheiro.

Vale também citar uma frase de uma executiva da TOMS, varejista norte-americana, que participou de um painel da NRF, nos diz bastante sobre esse tipo posicionamento:

“A missão da TOMS é ajudar a melhorar vidas através de negócios.” Amy Smith

NRF 2019: terceiro dia

Qual é o propósito da sua marca?

Nunca se falou tanto sobre inclusão: feminismo, legalização da maconha e outras questões de gênero e representatividade quanto a NRF 2019. Com tudo isso, é importante entender qual bandeira sua marca vai levantar. Em 2019, não é mais possível continuar neutro. É preciso ter propósitos bem estabelecidos e desenvolver uma conexão forte com o consumidor de modo a seguir relevante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *