Negócios

Alibaba: entenda como a empresa se consolidou como um ecossistema digital

27 de outubro, 2020

Grandes são as chances de você conhecer alguém que é viciado em comprar futilidades – e esporadicamente uma ou outra coisa relevante – pelo AliExpress. Essa afirmação se justifica uma vez que nós brasileiros somos um dos três maiores mercados deste e-commerce internacional, que faz parte do grupo chinês Alibaba.

Mas se você olha para esse negócio e enxerga apenas um site de objetos  para atrair consumistas frenéticos, continue acompanhando que vamos te contar como esse negócio se tornou um verdadeiro império de e-commerce mundial, além de romper barreiras em outros segmentos.  

História  Alibaba

Lá em 1999, em Hangzhou, na China, Jack Ma fundou a empresa que se inseriu na lacuna oportuna do comércio eletrônico. Ao longo da sua trajetória, o negócio somou novas frentes de atuação, recebeu aportes de investimento bilionários e consolidou um crescimento exponencial. Em 2014, realizou o maior IPO (abertura de capital na bolsa de valores) do mundo e hoje, tendo um lucro anual maior que US$ 10 bilhões, disputa o topo do pódio do comércio digital com outra gigante, a Amazon.

Mas muito além do oceano azul do ambiente digital que existia no início do século na China, uma vez que a internet engatinhava quando Jack Ma identificou a oportunidade, a vantagem competitiva e a escalabilidade que o Alibaba alcançou tem como base o pioneirismo na lógica de ecossistema de negócios.

Transformação para o formato de ecossistema digital

Se você nos acompanha por aqui, é provável que esteja familiarizado com o conceito de ecossistema digital no âmbito dos negócios – caso contrário, não deixe de conferir nosso artigo sobre o assunto. A lógica básica é simples: deixar de ver a empresa apenas como uma via de mão única (negócio – clientes) e em um setor restrito, mas ampliar suas barreiras, explorando novas áreas e modelos de negócio e orquestrando conexões externas com  usuários, parceiros e diversas outras partes envolvidas.

Um dos principais motivos que torna o case do Alibaba tão relevante é o fato de a empresa ter atuado na vanguarda dessa estratégia. Lá no início, o negócio funcionava sob uma lógica de intermédio B2B, lançando os e-commerces alibaba.com (em inglês) e o 1688.com (exclusivamente chinês). Na sequência, em 2003, lançou o Taobao como uma forma de inserir-se no mercado C2C. Este, na época era dominado pelo ebay com mais de 70% do mercado, mas tal concorrente acabou perdendo o posto nos anos seguintes. Além desse, ao longo do tempo o Alibaba se aventurou em diversas outras frentes dentro dessa percepção de ecossistema, dentre elas o mercado de meios de pagamentos digitais (Alipay), de logística (CaiNiao), e-commerce C2C para grandes marcas (Tmall),  e-commerce para mercados internacionais (AliExpress) e até de educação (Taobao University).

Algo interessante de ressaltar é que, mesmo que no início isso não tenha ficado claro externamente, o próprio Jack Ma afirma, no prefácio do livro “Alibaba – Estratégia de Sucesso”, que “nunca fomos uma simples empresa para o consumidor (B2C). Somos um ecossistema empresarial com milhões de participantes que variam de vendedores a fornecedores de serviços de software e parceiros logísticos”. 

Tecnologias exponenciais como forma de crescimento e geração de valor

Somada à lógica de ecossistema, definitivamente um elemento chave na fórmula do sucesso do alibaba foi a maneira disruptiva – ainda mais no contexto que estavam inseridos na fundação – encontrada para redefinir a forma de entrega de valor: o foco tecnológico. Jack Ma tinha a visão de que o mundo interligado e digitalizado que estava dando as caras era apenas um indício do estouro de conectividade que vinha pela frente.

Na base de sua estratégia, a empresa provém do uso massivo de tecnologias exponenciais, tanto para a operação quando para a automatização de decisões, deixando assim o esforço de seus talentos e lideranças para a parte estratégica e criativa. Definitivamente a visão de exponencialidade do negócio desde o princípio é um fator que foi essencial para a diferenciação (confira nosso artigo sobre Organizações Exponenciais).

Dentre as muitas soluções de base tecnológica que fazem parte do dia a dia do negócio do Alibaba, estão a computação em nuvem e a ciência de dados. Não deixe de conferir nossos artigos que desdobram essas temáticas!

E para completar… uma curiosidade: Sabia que um momento chave do crescimento do Alibaba se relaciona diretamente com a situação que vivemos hoje?

No ano de 2013, houve um grande surto do vírus da SARS – Síndrome Respiratórias Aguda Grave – na China. Assim como grande parte do mundo viveu nesse ano de 2020 com a pandemia do coronavírus, a população chinesa na época passou por um período de isolamento social visando a prevenção da doença. Unindo essa situação e a coincidência da chegada da internet em alta velocidade, foi a mistura perfeita para um grande estouro do e-commerce!

E aí, já tava ciente de que a estratégia do Alibaba transcende – e muito – uma lógica tradicional de e-commerce de baixo valor agregado? Ou o que trouxemos aqui foi novidade? De toda forma, isso é só a pontinha do iceberg que justifica a consolidação desse ecossistema como um verdadeiro império digital.

Se quiser desvendar ainda mais esse case, indicamos a leitura do livro previamente citado: “Alibaba – Estratégia de Sucesso”, escrito por Ming Zeng, presidente do conselho acadêmico do grupo. Seja qual for o porte ou setor da sua empresa, é garantido que podemos tirar dessa história bons aprendizados e estratégias sobre como fazer negócios decolarem dentro do contexto informacional e conectado que vivemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *